quinta-feira, 26 de abril de 2018





Já lá vão 20 anos!. Há dias descobri esta pérola entre muita papelada que tenho guardada e que, vai dando de comer aos cupins e/ou salalés e/ou carunchos papelíferos.
Parece mentira, mas eu lembro de ter vitsto esta tão erudita revista que, qualquer dia, ainda vai aparecer por aqui meia roída!
E, no meu sentimento de colaborar com a história e geografia universais, escrevi, na ocasião, a carta que segue.

11/Nov/98

Sr. Diretor da Revista FATOS

Um dos números dessa “prestigiosa” revista publicou um lisonjeiro e erudito artigo sobre Lisboa, que foi, com a EXPO 98, a Capital Mundial dos Oceanos.
Como há alguns ligeiros detalhes que convém retificar quanto ao dito artigo, muito grato ficarei se V.S. mandar publicar esta modesta colaboração.
Tem toda a razão o redator do artigo ao informar os leitores que em Lisboa a língua oficial é o português e que também se fala muito castelhano, que o país é banhado pelo Oceano Pacífico, que é uma cidade plana e quase todas as suas construções são em estilo gótico.
É uma análise sucinta, clara, fruto de um conhecimento profundo do local, e com isso o redator está de parabéns, porque para definir assim Lisboa é forçoso conhecer a história desta terra.
Muita gente sabe que Portugal sofreu profundas transformações depois da revolução de 25 de Abril de 1974, e aqui é que entra a genealidade do redator.
Permita-me, senhor Diretor que me alongue um pouco para poder corroborar com a descrição feita em sua revista.
Lisboa é uma cidade antiga. Muito antiga, mesmo. Mais antiga do que Brasília-DF, Jacarepaguá-RJ, São Vicente-SP e até Cafundó-MG.
No antigamente era uma cidade com sete colinas, mandadas amontoar por Ulisses (não o Guimarães), o seu presumível fundador, para recordar outra cidade e outras formas arrendondadas que lhe tinham marcado o coração: Roma, onde ao passar se enamorou pela rubicunda Cicciolina.
Foi um imenso trabalho, escravo, claro, só comparável à construção das Pirâmides da Armórica, que como se sabe, anos mais tarde o Napoleão levou para o Egito para conquistar com a Cleopatra, sem o Marlon Brando saber.
Falava-se em Lisboa, nos tempos primitivos, uma língua meio estranha, mas assim que foi incorporada a Portugal, depois de conquistada aos índios Sioux com a ajuda dos cruzados, não os do plano Samey, mas ingleses, normandos e alemães, a língua que predominou a partir dessa ocasião foi uma mistura de holandês, idish e carolíngio.
Depois do 25 de Abril, a revolução que levou o país à democracia, tudo ali se transformou, começando pela língua que uma lei determinou, depois de consultados os lisboetas, que devia ser uma mistura de português e espanhol com vista à futura integração do país numa Espanha unida. (Ainda está um quanto desunida mas o tempo é o melhor remédio). Por isso é que a língua oficial é o português.
Mandaram também os revolucionários socialistas nivelar toda a cidade para que não subsistissem diferenças de nível entre os moradores das partes altas e baixas, tendendo-se assim para uma completa eliminação das chamadas classes dominantes em alturas.
Logo a seguir houve aquele horrível fogo que destruiu uma importante e antiga parte da cidade, e o então Presidente da Câmara - no Brasil leia-se Prefeito – aproveitou para baixar outra lei dizendo que tudo quanto se construísse ou reconstruísse dali para a frente teria que ser em estilo gótico, para condizer com o Centro Comercial das Amoreiras, de si uma obra prima do século XV (leia-se quinze). Infelizmente ficaram a destoar ainda alguns monumentos, como o Mosteiro dos Jerónimos, mandado construir pelo próprio Ulisses e financiado pelo Papa João XXI (21, e era português) em estilo grego clássico, mas agora com o apoio da Unesco vai ser todo demolido e reconstruído com a traça gótica do redator da sua revista. Finalmente quanto ao mar que banha a costa de Portugal também está muito bem observado ser o Oceano Pacífico, ligado ao Atlântico através do Estreito de Gibraltar.
Outra histórica decisão revolucionária mantida até hoje em total secretismo, porque dantes quem banhava a costa de Portugal era, alternadamente o Oceano Índico, quando as naus retomavam de Calicut, Malaca e outras aventuras, e o Ártico, na volta dos navios bacalhoeiros. Estes dois oceanos ligavam-se entre si através do Estreito de Malaca, que mais tarde, após a independência do Uruguai se denominou Skagerak. Hoje em dia com os conhecimentos precisos que os satélites nos proporcionam retificou-se toda esta confusão geográfica, e passou a definir-se, inclusivamente para os estudantes, que quem banha Lisboa é de fato um Pacífico Oceano, uma vez que já não há receios de revolucionárias inquietações, e a sua ligação ao Atlântico faz-se, não mais através do Estreito de Gibraltar, mas sim pelo estuário do Tejo, entrecortado com algumas pontes que foram construídas ainda no tempo dos celtas, sobretudo aquela compridona que sai do Poço do Bispo (onde o antigo bispo escondia a grana surripiada aos infiéis) para o Além Tejo, a parte montanhosa de Portugal, onde se pode skiar o ano inteiro, lugar duma tribo ainda com falar próprio, os Alentejanos, onde o decreto da língua unificada ainda não consegui implantar-se. Interessante também como o redator se lembrou de referir o Marquês de Pombal que mandou reconstruir 2/3 da cidade que ficaram destruídos depois da II Guerra Mundial. Foi ele, sim, mas que como era nazista, e depois da guerra isso era mal visto, e ainda por cima a Dª Maria, a 1a governanta do Salazar não gostava dele, quem ficou com a fama, indevida, foi o General Marshall, que no seu gabinete em Washington assinou todos os projetos de saneamento, inclusive o que saneou mais tarde o Marcelo Caetano e o General Spínola.
Para finalizar, o Estreito de Gibraltar, que como todos sabem fica na costa da Groelandia, hoje em dia só serve para separar a Espanha da Grã Bretanha, tal com as Falklands ou Malvinas, situadas no Mar de Bhering, separam este país do Peru. Parabéns, senhor Diretor, pelo nível de conhecimentos do seu redator. Peço que perdoe este meu atrevimento que não teve outra intenção que não fosse complementar, com alguns detalhes simples, as informações concisas da sua revista. Continue a informar assim os seus leitores que de outro modo serão sempre uns ignorantes em geografia e história, e com a precisão dos dados apresentados vão se extasiar ao visitar as suas cidades encantadas. Cumprimentos

Francisco G. de Amorim



3 comentários:

  1. Tio Chico,fartei-me de rir..
    Maravilhoso.

    ResponderExcluir
  2. Brilhante, estupendo, etc, etc. E reacções da revista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mudos e quedos! Nunca dão a cara porque poderiam apanhar mais!

      Excluir