segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016



                                O Palhaço


Quem não se lembra de ter visto “o” Palhaço? O Palhaço Pobre, sempre maltrapilho, com aqueles sapatos imensos que chamava de “submarinos”, que apanhava pancada e fazia rir todo o mundo?
Lembram-se que quando ele “chorava” soltava uns esguichos de água pelos olhos, e procurava atingir os espetadores que estavam junto do palco? E o público ria e aplaudia.
Além destas e muitas outras palhaçadas, esses homens eram grandes artistas. Tocavam concertina, violino, marimbas, trompete, e lembro de um que se sentou na borda do palco, prendeu um serrote entre os joelhos e com um arco de violino tocou, no serrote, as difíceis Csardas de Monti, deixando o público num total silêncio e profunda admiração.
Fora do palco e da representação, eram homens, muitas vezes tristes, que em tantas ocasiões vertiam lágrimas autênticas, escondidos nos seus cubículos, amargando uma vida difícil, dura e, Deus sabe, com que quantidade de problemas às costas. Alguns, com família e filhos pequenos, andavam em duas ou três carroças, de terra em terra, e todos tinham o seu papel na representação. Ciganos? Talvez. Mas artistas pobres. Outros não tinham mais família, ou se a tinham, dela se haviam afastado quando adolescentes, levados pela mágica da vida de saltimbanco.
Todos temos, dentro de nós, em maior ou menor escala, um tanto desses palhaços pobres. Quantas vezes rimos ou fazemos rir, passando uma imagem de vida alegre, desprendida, descompromissada, sem problemas, e uma vez sós, em frente da nossa consciência, dos nossos remorsos, dos nossos erros, de costas para que não nos vejam, não seguramos as lágrimas, contidas por vezes com amarga dificuldade.
Dizem que rir é o melhor remédio. Pode ser. Mas enquanto rimos temos a certeza de que a seguir temos bem mais motivos para chorar.
Se quisermos filosofar um pouco mais, deixar o vento do espírito nos entreter, ficamos cientes que na vida o importante é o momento que se vive. O passado não volta e o futuro é sempre uma incógnita.
O que podemos é fazer como a avestruz, escondendo a cabeça num buraco e esquecer o passado. Quanto mais anos vivemos mais peso esse passado tem, por vezes um peso difícil de carregar. São saudades, tristezas, amarguras que nos trazem as lágrimas, à mistura com as alegrias de ter visto os filhos nascerem, depois os netos, lembrar os muitos amigos que ajudaram a preencher a nossa vida, tudo já desordenado, mas penoso a concentrar no silêncio da meditação.
O momento, o presente, hoje, tal como o mundo se apresenta, desastrado, a caminho de uma quase autodestruição, apesar da infinita capacidade da natureza se regenerar, é vivido com a apreensão do futuro que filhos, netos e subsequentes vão ter que enfrentar.
Aqueles que teimam em seguir a ética, os valores humanos que os pais lhes transmitiram, vão ter que encarar os selvagens ávidos de açambarcarem o mundo, as suas riquezas e, pior, a sua moralidade.
E se não nos escondemos para chorar pelas dores do passado temos que chorar pelo futuro. Não do nosso, que já estamos nele, mas pelo dos outros, filhos e desconhecidos, para quem a luta por uma vida com dignidade se apresenta cada vez mais difícil.
Não há vergonha em deixar as lágrimas correrem pela cara.
Vivemos só o momento presente, é verdade, mas não podemos esquecer o que foi ficando para trás, sobretudo os momentos mais pesados, mais dolorosos, os que teimam em nos assaltar a mente quase sempre à noite, quando nos deitamos à procura de dar descanso a um corpo já muito gasto e uma cabeça desejosa de adormecer depressa, os “filmes” mais difíceis teimam em aparecer, em nos atormentar sem que possamos, ou queiramos, deles nos afastar.
O sono tarda. Algumas lágrimas humedecem-nos os olhos, e é com eles molhados, tristes, que cansados acabamos por adormecer.
Antes, porém, vem à memória aquele Palhaço alegre e triste, simpático, que para ganhar a vida transforma as próprias dores em risos da multidão.

Ridi Pagliaccio,
Ridi del duol, che t'avvelena il cor!
E ognun applaudirà !

16/02/2016



Um comentário:

  1. O palhaço mais famoso do Brasil no século XX foi o saudoso Carequinha!

    ResponderExcluir